Data Center transformation. Como e quanto devo migrar? - Planus

Data Center transformation. Como e quanto devo migrar?

12/02/2019

Data Center transformation. Como e quanto devo migrar?

Decidir mover sua empresa para a nuvem pode ser desafiador, mas para boa parte das empresas a decisão pela migração já está consolidada. Além de ser estratégico para o negócio, adotar a nuvem como infraestrutura de TI se tornou fundamental para fazer parte da atual Economia e Transformação Digital.

Há muitas perguntas que precisam ser respondidas e resolvidas antes de fazer a transição, afinal, como você sabe, uma migração para a nuvem deve ser muito bem planejada e validada por todos os times que serão impactados pela mudança.

Entre as dúvidas que surgem no início da jornada de migração para a nuvem, existem duas que praticamente são o pontapé inicial para qualquer projeto de migração: como e quanto devo migrar? Vamos discutir esses pontos importantes a serem considerados durante o processo de mudança.

Avaliando a computação em nuvem

Vamos focar nesse momento no quanto. Uma migração completa ou parcial? O que vai ser estratégico e viável financeiramente para a empresa no processo de mudança para a nuvem?

Em uma economia hiper conectada de hoje, muitas vezes as empresas precisam ter acesso aos dados dos clientes no instante em que precisam. A computação em nuvem traz isso para as empresas de maneira rápida, confiável e segura. Basicamente, tudo o que é necessário é uma conexão com a internet.

As empresas têm como característica usar a infraestrutura da nuvem para redundância, mobilidade e colaboração. Com o armazenamento em nuvem, por exemplo, a empresa tem a flexibilidade necessária para acessar seus dados de qualquer lugar, ao mesmo tempo em que tem o benefício da redundância integrada.

Quando a escalabilidade da estrutura computacional se torna uma necessidade para os negócios, a infraestrutura como serviço (IaaS) pode fornecer à sua empresa os recursos de hardware escalonáveis ​​de que precisa.

Adicionar mais servidores físicos e switches de rede para acomodar seus negócios se tornou algo inviável financeiramente para grande parte das empresas que buscam o crescimento, especialmente ao prever as necessidades de seus negócios.

Com a IaaS, seus recursos de hardware podem ser dimensionados apenas para o que você precisa e nenhum recurso financeiro é investido em hardware não utilizado.

Software como serviço (SaaS) é um modelo de licenciamento e entrega de software no qual soluções de software são hospedados e mantidos por um provedor de serviços. Esses aplicativos de negócios são disponibilizados aos clientes por meio do ambiente de nuvem com um navegador da Web ou aplicativo mobile como um meio comum de acesso.

A assinatura de um SaaS sempre o manterá atualizado com a última versão do software. A empresa ainda economiza dinheiro ao não precisar comprar a estrutura de TI associado à execução do software. E-mail, filtragem de spam, software antivírus e até mesmo sua rede sem fio podem ser movidos para a nuvem.

Quais fatores você deve considerar para definir o quanto de sua estrutura de TI deve mudar para a nuvem?

Alguns fatores importantes precisam ser considerados na hora de fazer a mudança para a nuvem:

1.    Carga de Trabalho Dinâmica e Gerenciamento de Recursos

Para que uma nuvem seja verdadeiramente sob demanda, elástica e consistente ao ponto de ser capaz de atender aos SLAs e contratos de nível de serviço, a estrutura da nuvem deve estar pronta para a carga de trabalho e dos recursos a serem utilizados em produção.

Diante disso, é fundamental, o entendimento claro das cargas de trabalho previstas e o gerenciamento de dados para garantir que a máxima eficiência e desempenho sejam entregues aos sistemas em execução na nuvem. Isso se torna ainda mais crítico à medida que toda a estrutura atinge demandas de pico em diferentes situações em um ciclo produtivo da organização.

2.            Confiabilidade, Disponibilidade e Segurança

Mesmo que o modelo e a infraestrutura de TI entregues e consumidos atualmente possam ter mudado com a computação em nuvem, ainda é essencial que as novas arquiteturas tenham o mesmo suporte aos elementos de confiabilidade, disponibilidade e segurança, fundamental para todos os usuários finais.

Os clientes esperam que os serviços oferecidos pelas empresas estejam funcionando a cada minuto do dia. Para ser totalmente confiável e disponível, a nuvem precisa continuar operando enquanto os dados permanecem intactos em sua estrutura de tecnologia. Diante desse cenário, é preciso ter absoluta certeza da estrutura de alta disponibilidade integrada em todos os aspectos de uma arquitetura e processo operacionais.

3.            Integração com as ferramentas de gestão e produção

Na maioria dos data centers, várias ferramentas são usadas para provisionamento, atendimento ao cliente, faturamento, gerenciamento de sistemas, diretório, segurança e muito mais.

As soluções de gerenciamento de computação em nuvem não substituem essas ferramentas e é importante que existam interfaces de programação de aplicativos (APIs) abertas que se integrem aos sistemas de operação, administração, manutenção e provisionamento existentes.

Nesta avaliação é preciso avaliar os riscos de produção, analisando dessa forma o quanto da estrutura de tecnologia deve ser movida, ou não, para a nuvem.

Quando sua empresa deve fazer a transição do seu negócio para a nuvem?

Vamos fazer um checklist para responder quando sua empresa deve fazer a transição.

  • O primeiro ponto a ser considerado para o momento da transição é a arquitetura definida de TI, sua validação e principalmente a implementação. Todo um processo de aprovação deve ser feito, abordando as fases de preparação, migração e pós migração.
  • Outro fator a ser considerado no momento de transição é a segurança da informação. Como foi dito anteriormente a nova arquitetura requer novas integrações e acessos aos sistemas e soluções de gestão e produção. É preciso uma consolidação das políticas e processos de segurança. Além de testes de segurança para validar toda a infraestrutura desenvolvida para a migração.
  • O terceiro ponto consiste em avaliar o nível de preparação da equipe de TI. Ela será responsável pelo momento de transição para uma nova arquitetura e novos paradigmas de uso. Da mesma forma, os usuários finais também devem estar preparados para a nova estrutura, políticas e processos a serem adotados com o uso da nuvem.
  • A validação da estrutura de alta disponibilidade, recuperação de desastres e de backup também precisam estar validados, antes da decisão de virar a chave para a nuvem, mesmo que isso aconteça em fases previamente planejadas.

 

  • E por fim, o suporte ao usuário deve estar pronto para o momento de transição. Com todos os SLAs e contratos de nível de serviço definidos e validados pela gestão e times de tecnologia responsáveis por toda a estrutura de nuvem.

Nessa fase de transição, é fundamental o uso de ferramentas de gestão, suporte e avaliação. A definição de KPIs de desempenho são fundamentais durante o processo e servem também como indicativo para os ajustes a serem feitos durante esse processo de grandes mudanças.

Mover sua empresa para a nuvem é estratégica para qualquer organização que queira proteger seus dados, ter mobilidade, flexibilidade e tenha uma solução econômica que atenda às suas necessidades em evolução. Essencialmente, é uma boa ideia para qualquer tipo de negócio, independente do tamanho ou segmento.

A Planus Tecnologia se destaca pelo abrangente modelo de negócios na oferta de Infraestrutura com capacidade para atender das mais simples às mais complexas soluções, das soluções “On Premises” às soluções “As a Service”, da TI Híbrida a Cloud”, do atendimento às empresas SMB até as maiores do país. Estamos prontos para auxiliar sua empresa no processo de migração para a nuvem com segurança e o suporte necessário para esse momento de transição. Entre em contato agora mesmo com o nosso time de especialistas.

Entre em contato com um de nossos especialistas de vendas:
(11) 2102-5400 - 0800-7222-7332

© 2017 – Planus. Todos os direitos reservados.